logo

Vila Parque Savoia

QUERO MORAR AQUI!

Descrição

Hoje vamos contar a historia de uma das mais charmosas vilas ainda existentes em São Paulo.

Para fazer isso chamamos desse conjunto de casas magico, Salvatore Iungano, descendente da Familia que fundou,constriu e ajudou a conservar e salvar aquele que è chamado de Parque Savoia.

Um Oasis no meio de Sao Paulo.
Uma viajem a Toscana sem pegar aviao.
Uma historia unica e incrivel que nos sera contada por suas proprias palavras nas linhas a seguir:

“O meu avo, Salvador Markowicz, era polonês, engenheiro mecânico, foi morar primeiro em Buenos Aires nos anos ‘20, onde casou com a minha avó, italiana de Turin, berço da casa real italiana Savoia, que regeu a Italia até o referendum favorável à republica, logo depois da 2° guerra. Em seguida se mudaram para Sao Paulo, onde ele fundou e mantinha uma retifica de motores, muito conhecida na epoca, a Retifica Modelo, na rua Vitorino Carmilo.

Na mesma rua, no bairro da Barra Funda, foi construído, em 1.939, o PARQUE RESIDENCIAL SAVOIA, ao qual ele deu este nome em homenagem à casa real italiana; o estilo arquitetônico è o “Fiorentino”, e o brasão que aparece nas paredes externas das casas è o “Lirio” de Florença; o arquiteto que meu avo escolheu para realizar o projeto foi o Arnaldo Maia Lello; a minha mãe, Beatriz Markowicz, herdeira da propriedade, casou-se com meu pai, Gaetano Iungano , medico, italiano de Napoli, onde eu também nasci, de onde vem meu sobrenome e meu nome, Salvatore (em homenagem ao meu avo materno).

A finalidade da construção era residencial, e meus pais moraram la por um periodo, e eu mesmo, na epoca do meu casamento, morei em uma das casas da vila; meus filhos passaram a infância la, e tem ainda hoje uma lembrança muito boa daqueles tempos, e da amizade que tinham com as outras crianças que moravam na vila.
Algumas destas amizades continuam ate hoje!

Eu resolvi mudar a finalidade residencial da vila para comercial, por volta do 1.994, avaliei vários fatores mas o que mais pesou foi garantir a melhor conservação da propriedade, que estava na epoca em pessimo estado.
Isso se devia a continua degradação do bairro que gerava consequentemente um pioramento em termos de segurança; fatores esses que não mais permitiam uma vida tranquila, para as crianças e os moradores, no interior da vila.

Para terem uma ideia, antigamente, não havia o portão de entrada, nem as grades que hoje são indispensáveis por questão de segurança.

Graças a esta minha resolução, consegui recuperar as casas e restaurar a vila, com seus enfeites originais, brasões, grifos, vasos, colunas, etc., e ainda acrescentei algumas melhoras, a meu criterio, como a pintura dos azulejos do chafariz, realizada em 2.000, idealizada com inspiração em um quadro da Renascença, que achei adequado ao estilo da vila. Outra melhoria foram os lampeoes que iluminam a vila à noite.

Gosto de escolher pessoalmente os inquilinos, selecionando pessoas que compreendam e respeitem o valor histórico e arquitetônico da propriedade, e cuja atividade profissional, mesmo sem ser necessariamente no ramo da arquitetura, seja compatível. A proibição da entrada de veículos, também tomada por mim na epoca destas mudanças, è claramente imprescindível.

Tenho um afeto e um respeito especial pelo PARQUE SAVOIA, por respeito ao trabalho do meu avo e da vontade da minha mãe, que também sentia isso em relação a ele, fora o respeito que todos deveriam ter pela cidade e sua historia, e que tanto faz falta.

Mesmo assim, com relação ao Tombamento, processo que começou hà cerca de 25 anos atras e foi concluído mais recentemente, tenho algumas considerações a fazer:

Não sou contrario, a principio, ao tombamento, mas as autoridades estadual e municipal que o promoveram, CONDEPHAAT e COMPRESP, deveriam se responsabilizar por esta decisão, e não apenas impor restrições.

Por exemplo, elas deveriam cuidar da segurança e da iluminação, coisas que não fazem absolutamente, e que são de competência delas, e não minha; ajudar na conservação da propriedade, coisas que eu sempre faço e fiz às minhas custas, e com enormes dificuldades em algumas épocas e circunstancias; precisa considerar que o prejuízo financeiro para uma família cujo patrimonio foi tombado, è enorme, devido à imediata desvalorização comercial!

Aqui, em Sao Paulo, muitas propriedades, sobretudo na Av. Paulista, foram demolidas pelos próprios donos, assim que eles souberam do começo do processo de tombamento; então, as intenções das autoridades, começando um processo destes, podem até ser boas, mas as consequências desastrosas, na maioria dos casos.

No caso do PARQUE SAVOIA, eu quero frisar que, contrariamente ao que algumas pessoas pensam, a minha família e eu, pessoalmente, nunca quisemos demolir nem incorporar a propriedade, nunca foi esta nossa intenção, e foi por isso que ela se encontra ainda de pé, em ótimas condições de conservação e abrigando uma atividade que a torna possível de existir e se manter.

Isso não foi nenhum merito do Estado nem do Municipio, mas sim da minha família, notadamente a minha mãe e eu, que nos preocupamos e preservamos com muito amor, e de forma alguma pela obrigação imposta.

Por exemplo, o CONDEPHAAT autorizou a construção, bem na frente do PARQUE SAVOIA, e a 15 metros de distancia, de um prédio enorme, de muitos andares, que terá fundações profundas, a serem escavadas com maquinarias, “bati-estacas”, que, com toda probabilidade, poderão prejudicar a propriedade tombada por eles mesmos; eu fui conversar e reclamar a este respeito com o CONDEPHAAT, e a resposta que eles me deram foi que a conservação è sempre por minha conta, e que eles não vão se responsabilizar se a construção do prédio que eles autorizaram prejudicará a minha propriedade; que incoerência è essa, que falta de responsabilidade deles!!!

Recentemente houve vários problemas de roubos nas casas externas do PARQUE, e com a continua presença de pessoas que usam drogas e dormem na frente da vila, fazendo todo tipo de sujeira e assustando e até ameaçando os inquilinos, mas nenhuma das autoridades envolvidas no tombamento se preocupou com isso, a despeito das minhas reclamações.

Então, o principio do tombamento e as responsabilidades do poder publico a este respeito, realmente precisam ser reconsiderados. Pessoalmente, acho que o Estado deveria desapropriar as propriedades que acha oportuno tombar, pagar o que è justo, conforme os valores comerciais atualizados dos terrenos, e depois sim, utiliza-las para abrigar museus, repartições, bibliotecas, e conserva-las na melhor maneira possível em prol da cidade, e sem prejudicar os proprietários.

Gostaria de saber que, mesmo depois de mim, este marco da historia da minha família e da cidade, continuasse existindo, bonito como foi imaginado, construído e conservado, e como merece.

Quem sabe, tornar-se espaço para atividades artísticas e culturais.”

Salvatore Iungano

Quer saber mais?

Veja esse artigo Bacana do Douglas Bock :

http://www.paulistando.com.br/2014/10/parque-savoia-por-tras-dos-portoes.html

Clique no link abaixo para saber como adquirir o livro Casas de São Paulo.

Quero o livro

×

Powered by WhatsApp Chat

× Como posso te ajudar?